Cultura e Turismo

Considerada como cidade histórica de Minas Gerais, Cataguases é reconhecida por sua riqueza cultural, especialmente pelo extenso patrimônio arquitetônico e artístico ligados ao modernismo, sendo considerada para muitos admiradores da arte e da cultura como um museu a céu aberto. Importantes nomes como Oscar Niemeyer, Cândido Portinari, Burle Marx, Joaquim Tenreiro, Djanira, entre outros, deixaram seus traços na cidade.

Mural

Cataguases também gravou seu nome no cinema brasileiro com Humberto Mauro, sendo palco, de vários festivais, entre eles o Cineport - Festival de Cinema dos Países de Língua Portuguesa.

A riqueza de Cataguases não se limita à estética modernista, a cidade é rica em múltiplas formas de manifestações: artesanato, música, artes cênicas, cinema, literatura e cultura popular.

No entanto, a população não faz apropriação da cultura da cidade. Há uma visão de que a perspectiva modernista é elitista. Logo, grande parte dos cidadãos cataguasenses não se relaciona com essa faceta modernista, até mesmo desconhece sua representatividade.

O grande gargalo da cultura é a escassez de recursos financeiros, o que gera uma visão de não reconhecer a cultura como negócio.

Com isso, há poucos projetos populares de cultura, o que gera insatisfação da comunidade e um sentimento de que “não se tem nada para fazer”.

Igreja Atualmente, Cataguases conta com um Polo Audiovisual e três grandes institutos privados que são vistos como os maiores propulsores culturais da cidade. A maior parte das ações desses institutos é financiada dentro das próprias empresas, por meio da Lei Rouanet.

Cada um dos institutos cria suas ações de forma isolada, não existem ações conjuntas entre eles nem em parceria com a secretaria municipal de cultura. Hoje eles não são capilarizados na sociedade, logo a população não se sente incluída, não está a par dos eventos e, assim, não participa.

Para a população, os projetos e ações dos institutos privados são vistos como restritos e hierarquizados, não abrangendo o popular.

O Cine-Teatro Edgard hoje também tem sido visto como símbolo do cuidado patrimonial em Cataguases, contudo, há insatisfação com a manutenção do patrimônio arquitetônico. Atualmente, o Cine-Teatro Edgard está desativado. A população também sente falta de um parque de exposições no município. Já o turismo em Cataguases é uma seara muito pouco explorada.

Necessidades apontadas na pesquisa
  • Interface constante das esferas públicas e privadas, gerando maior atratividade e abrangência das ações.
  • Criação e divulgação de um calendário cultural único para que a população tenha conhecimento e participe das atividades culturais promovidas pela cidade.
  • Priorizar a cultura localizada nas periferias.
  • Negociações com outros gestores como Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e Sistema Nacional da Cultura.
  • Apoiar, subsidiar e articular programas de resgate, preservação e valorização da história da cidade, fortalecendo a identidade cultural de Cataguases.
  • Criação de um Plano de Comunicação de Cultura, que divulgue os programas e atividades oferecidos.
  • Criação de planos de ação e estratégias para desenvolver o turismo na cidade.
  • Fortalecimento dos polos audiovisuais existentes na cidade.
  • Criação e implementação do Plano Municipal de Cultura, o que pode colaborar para recebimento, gerenciamento e repasse de financiamento pelos governos Estadual e Federal.
  • Busca de parcerias públicos-privadas (PPPs) para fomentar novos projetos de cultura e lazer para a população.
  • Realizar a reforma do Edgard Cine–Teatro e promover ali fóruns, mostras independentes e fomento de audiovisual, garantindo a ampliação e fortalecimento da cultura para a juventude e a população de Cataguases como um todo de Cataguases.

    Para acessar o material sobre Cultura e Turismo, clique aqui.

    E se quiser conhecer o material completo da Fundação Dom Cabral, acesse aqui.